Comprar

25 de Fevereiro de 2022

Conselhos de Segurança Rodoviária para as suas viagens na estrada durante o inverno

No período de inverno todos os acidentes com veículos aumentam cerca do 20 %.
Por este motivo é, se possível, mais importante que siga certas recomendações antes e durante as suas deslocações.

Antes de sair…

Reveja os níveis de todos os líquidos do seu veículo: óleo, líquido dos travões e anticongelante

Antes de qualquer viagem é importante assegurar umcorreto nível de óleo, líquido de travões e anticongelante ou refrigerante Este último, é mais necessário quando enfrentamos as baixas temperaturas do inverno, devido à sua função dentro do circuito interno do motor.

O líquido anticongelante mantém a temperatura ótima de funcionamento do motor, por volta dos 90 °C. Por outro lado, evita que quando se alcançam temperaturas negativas ocorra congelação em alguma parte do circuito, o que provocaria uma má refrigeração do motor que ocasionaria sérios problemas mecânicos.

Comprovar o nível do anticongelante é muito fácil. Uma vez colocado o veículo numa superfície plana, basta abrir o capot do carro, localizar o depósito do líquido (de cor verde, azul, amarelo ou laranja, segundo as suas propriedades) e ver se o seu nível se situa entre o máximo e o mínimo. Isto sim, pela nossa segurança, devemos realizar esta operação com o motor frio.

Troque os pneus regulares por pneus de inverno

Estes pneus apresentam uma maior aderência, pelo que estão especialmente desenhados para a sua utilização a baixas temperaturas ou quando encontramos neve, lama ou gelo na estrada.

Com estes diminui-se o risco de sair da faixa de rodagem, para além de melhorar notavelmente a travagem, o que se traduz numa redução da distância de paragem.

Estas vantagens ocorrem graças a um desenho mais profundo na banda de rodagem, cujo objetivo é melhorar a evacuação de água e neve, e a uns pequenos cortes nos padrões em relevo, que melhoram notavelmente a aderência e a tração tanto na neve como na lama. Também por sua composição química especial que mantém a flexibilidade das borrachas a baixas temperaturas, melhorando a sua aderência e tração.

Para identificar um pneu de inverno deverá reparar na lateral da borracha, onde aparecerá o código M+S (Mud and Snow, ou seja, Lama e Neve), para além de um pictograma formado por uma montanha com três bicos e um floco de neve no seu interior.

Se já tem os pneus de inverno colocados, comprove também se estes se encontram em perfeito estado: sem cortes, nem esquartejados e que os seus padrões em relevo não sejam menores que 1,6 milímetros. Uma vez feitas as comprovações, é necessário assegurar-se de que a pressão também é a adequada (o fabricante do carro indicará o nível adequado num autocolante colado normalmente no batente da porta do condutor).

Não se esqueça das correntes

Embora não tenham que estar postas de forma permanente, é importante guardá-las no porta-bagagens para o caso de nevar repentinamente. Tanto as tradicionais como as de tecido são bastante efetivas, mas assegure-se de as saber instalar da forma correta.

É preferível aprender a colocá-las com tempo e com paciência, sem esperar por ser surpreendido por uma situação na qual sejam repentinamente imprescindíveis. A sua colocação é simples, mas é melhor praticar.

Cuide da sua visibilidade

A importância da visão nesta época do ano é mais relevante que noutras situações com um tempo mais favorável. As horas de luz vêm-se reduzidas notavelmente e conduzir com nevoeiro não é de estranhar. Por isso, é importante rever o estado de todas as luzes do veículo, incluindo as antinevoeiro, antes de qualquer deslocação. Também se deve cuidar da limpeza e do bom estado dos restantes elementos que influenciam a sua boa visibilidade: faróis, vidros, sistema de limpa-para-brisas e espelhos.

Comprove o seu equipamento

Como já vimos, o inverno é a época do ano na qual se registam um maior número de acidentes e de avarias de trânsito. Por isso, é de suma importância ter à mão, para além do colete e triângulos refletores obrigatórios, um sinal luminoso V16 como o Help Flash, que não só foi homologado como também é especialmente recomendado para situações nas quais as condições meteorológicas adversas ponham em risco o condutor durante a manobra de sinalização de um incidente de trânsito. O seu desenho compatível com qualquer situação climática, permite a visualização do veículo parado até um quilómetro de distância.

Neste tipo de situações pode ser interessante contar também com outros elementos auxiliares, como uma manta, uma lanterna, um carregador de telemóvel ou um pequeno estojo básico de primeiros socorros, ou inclusive um conjunto de cabos com pinças que o ajudarão caso fique sem bateria devido às baixas temperaturas.

Permitir-nos-á estar em vantagem quando iniciarmos a viagem e estaremos preparados para qualquer cenário.

Já na estrada…

Aumente a distância de segurança

Garantir-lhe-á uma margem de espaço para manobra, caso ocorram as temidas derrapagens, provocadas pela presença de neve, chuva ou gelo.

Reduza a velocidade

No inverno os pneus costumam perder capacidade de tração, sobretudo quando a estrada está húmida, pelo que é importante conduzir a uma velocidade menor que a normal. Nada de acelerar bruscamente, mudanças altas e o travão a fundo, recorrendo a este o menos possível.

Evite as ultrapassagen

Em condições climáticas adversas ultrapassar de forma indevida pode provocar acidentes fatais.

Mantenha uma temperatura estável dentro do veículo

Se as temperaturas exteriores forem baixas, manter uma temperatura aproximada de cerca de 21 °C evitará que os vidros embaciem dificultando a sua visibilidade.

Faça mais paragens

Sobretudo em viagens longas, ajudará a reduzir a fadiga, libertando a tensão e permitindo-lhe alongar os músculos.

Voltar à listagem de notícias

Notícias relacionadas

18 de Junho de 2021

Técnicas ‘mindfulness’ para uma correta condução

Conduzir pela cidade é, sem dúvida, um verdadeiro desafio. A contaminação visual que inunda a nossa perspetiva com publicidade ou outros fatores externos, adicionando a conduta, em alguns casos inapropriada, dos restantes utilizadores da via, podem gerar distração ao volante. Inclusive o estado anímico no qual nos encontramos converte-se num fator determinante para a condução. A ansiedade ou o stresse podem gerar uma sensação de condução automática na qual não somos conscientes da velocidade com que conduzimos ou do percurso que fazemos. Uma situação realmente perigosa, já que perante qualquer imprevisto na estrada não dispomos da capacidade de reação que necessitamos.

Ler notícia